Espetáculo “Emilinha”- Teatro Maison du France- Até 31 de Agosto

Prezados,

na última quinta feira, 17 de agosto de 2017, fui assistir a um musical chamado “Emilinha”, com a GRANDE ATRIZ Stella Maria Rodrigues.

Stella Rodrigues - Emilinha- agosto 2017

 

Irei dar a minha humilde opinião primeiramente sobre a atriz e depois sobre o espetáculo “Emilinha” , frisando que, NÃO SOU CRÍTICA DE ARTE. Apenas sou uma leiga jornalista e que comete exageros e falhas.

Em junho último, uma amiga me chamou para assistir a um monólogo chamado “Solteira, Casada, Viúva, Divorciada”, até então uma atriz desconhecida. Fui assistir a peça no “escuro” e com uma ÚNICA INFORMAÇÃO: É COMÉDIA.

Ao começar a peça e na minha primeira gargalhada espontânea senti que a peça e a atriz seriam maravilhosas. E foi. Abro um parêntese aqui: É muito difícil fazer arte e cultura num Brasil aonde há muitas carências e necessidades básicas como saúde e escola na sua base.  E o teatro é uma dessas artes, que se,  o autor e o diretor não tiverem uma “mão” sobre o tema a ser exposto, a peça NÃO FLUI.

Eu gostei do tema. Bem atual por sinal. Mas, o que me chamou a atenção foi a segurança e o “segurar À pemba” que um MONÓLOGO deve conter. E esta competência, a Stella soube “tocar de prima para a esquerda, matando a pelota no peito e mirando para o gol” com maestria.

Após 2 meses e a promessa à atriz de que voltaria para assistir à peça Emilinha(tema este, voltado para a cantora GRANDE Emilinha Borba, que morreu em 2005, deixando milhares de fãs órfãos e um fã clube maravilhoso tocado por Mário Marinho), lá fui assistir numa quinta-feira, embora chuvosa, entretanto, muito prazerosa.

O legado de Emilinha (Borba),- incluem-se à emissora radiofônica forte, que foi a Rádio Nacional; a rivalidade com a cantora Marlene, que parecia um verdadeiro Flamengo x Fluminense, no imenso auditório localizado na Praça Mauá número 7- Cobertura, nas décadas de 1940 e 1950, chamado por muitos especialistas como a ERA DO OURO DO RÁDIO.

Sobre a “Emilinha” de Stella Maria Rodrigues e” O César de Alencar e o Luiz Gonzaga”, de Fabrício Lago Nigri e companhia, foi a pitada exata na emoção. Emoção esta que, como estava só, tive que consolar a uma senhora que estava muito chorosa e saudosa na plateia, soluçando na plateia, o reviver, no palco, a própria Emilinha Borba.

Uma curiosidade: O ciclo a ser encerrado, 31 de agosto, seria o aniversário da Emilinha Borba.

O espetáculo ficará em cartaz até o dia 31 de  agosto de 2017, às quartas e quintas-feiras, a partir das 19 horas, no teatro Maison du France, na Avenida Antônio Carlos, número 58(Centro do Rio de Janeiro).

O preço do espetáculo está a R$60. A meia- entrada custa R$30.